Conferência na Calheta

O turismo sustentável no desenvolvimento

 

No dia 8 deste mês de fevereiro, o Profº. João Lemos, na qualidade de presidente da direção da AICA, esteve na Escola B 1. 2. 3. /PE Profº. Francisco Barreto, Fajã da Ovelha (Calheta), onde abordou o tema “A importância do turismo sustentável no desenvolvimento das Regiões”, dirigido aos alunos do 9º ano, aos Cursos EFA e à Comunidade Local.
 

O Profº João Lemos começou por dizer que “o turismo é considerado o “motor” de desenvolvimento para muitas regiões, é visto como uma oportunidade estratégica para os territórios se afirmarem, quando o seu modelo se baseia nas potencialidades que o setor oferece. A Madeira é um exemplo de sucesso quanto ao impacto do turismo, ao longo de mais dois séculos de história, sendo determinante no desenvolvimento da Região”.
 

Referiu que de acordo com a Carta Europeia de Turismo Sustentável, o objetivo principal assenta no desenvolvimento sustentável da região de modo a permitir responder às necessidades económicas, sociais e ambientais das gerações presentes, sem comprometer as das gerações futuras. Os seus objetivos principais são: a conservação e valorização do património; o desenvolvimento social e económico; a preservação e melhoramento da qualidade de vida dos habitantes locais; e a gestão dos fluxos de visitantes e aumento da qualidade da oferta turística.
 

Nas sugestões propostas para a Calheta, o Profº. Lemos disse que seria importante criar uma rede de geomonumentos no concelho, referindo-se ao arco vulcânico da Calheta, ao miradouro do Cabo, lago das 25 Fontes, miradouro do Rabaçal, Pináculo do Paul da Serra e miradouro “O Precipício”. Construção de plataformas para dinamizar a Asa Delta e o Parapente; Criar infraestruturas no Paul do Mar para promover provas nacionais e internacionais de Surf e de Bodyboard; Construção de uma Escola Náutica na Calheta para formar e dinamizar atividades na longa costa marítima do concelho; Criar dois Parques Ecológicos com guias próprios e entradas pagas; Aposta forte nas energias alternativas, principalmente a energia solar e a das marés; Reflorestação urgente das áreas que foram atingidas pelos fogos; Dinamizar o Agroturismo e o turismo ativo nas serras do concelho; Criar a rota do Açúcar com início nos terrenos onde se encontra a cana-de-açúcar e terminus no Engenho da Calheta, abertura de postos de informação turística em todas as freguesias e os hotéis e edifícios públicos deveriam ser auto-sustentáveis.

 

Fotografias da Conferência